Grupo de Apoio e Compartilhamento de Experiências (Ao Vivo)

Pessoas Divorciadas ou em Processo de Separação

A proposta desse grupo de apoio está voltada às pessoas em processo de separação ou divorciadas com o objetivo de trabalhar os aspectos psicológicos nessa fase de complexa relação entre conjugalidade e parentalidade, ou até mesmo o luto pela perda de um sonho, de uma idealização e seus desmembramentos na vida cotidiana de quem passa por experiências como: traições, rejeições, estresse financeiro, fim da admiração, etc. Rearranjo do relacionamento com os filhos (decisão sobre guarda compartilhada ou não, organização das visitas, etc), novas relações já iniciadas, o papel do homem e da mulher na sociedade, questões de gênero etc.

Data do primeiro encontro: 03/05/2023
  • Conduzido por
    profissional
    especialista
  • 100% Online

Confira os detalhes desse grupo de apoio

É um grupo psicossocioeducacional que tem como principal função as trocas de vivencias entre os participantes e as possíveis reflexões para cada indivíduo. Com o objetivo de conectar-se com os demais participantes para fortalecer e enfrentar as adversidades do cotidiano, as situações pessoais e relacionais semelhantes e as dificuldades específicas. Todos poderão compartilhar suas vivências e dificuldades atuais, de modo a se ajudarem mutuamente, respeitando as diferenças e as particularidades de cada um, juntamente com a orientação de um profissional especializado para as situações que cada grupo enfrenta. É um espaço para investir em sua saúde mental com segurança e privacidade.

Coordenadora do Grupo de Apoio

  • Marlene Magnabosco Marra

    Possui graduação em Psicologia pelo Centro de Ensino Unificado de Brasília (1977), Mestrado em Psicologia pela Universidade Católica de Brasília-UCB (2003), Doutora em Psicologia Clínica e Cultura pela Universidade de Brasília-UnB (2015) e Estágio Sanduíche pela Tel Aviv University-UTA Israel (2014). Pesquisadora Colaboradora Plena da Universidade de Brasília – UnB, por três períodos ( 2016, 2018, 2020/2025). Pós-doutoranda pela Universidade de Brasília , no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica e Cultura ( PPGPsiCC ), linha de Pesquisa: Processos interacionais no contexto do casal, da família, do grupo, da comunidade. Professora desse mesmo programa de pós-graduação com as disciplinas: Tópicos especiais em Psicologia Conjugal e Familiar (2018,2019,2021); Seminário em Psicologia Clínica e Cultura (2019); Aplicação dos métodos clínicos on line para atendimento a casal,família e grupos (2021); Professora da graduação em Psicologia no Instituto de Psicologia (UnB) nas disciplinas Pesquisa em Psicologia Clínica e Pesquisa em Psicologia Clínica e Saúde Mental, Estágio Supervisionado Psicólogo – Área Intervenções psicossociais 1,2 e 3 – Área Intervenções psicoterapêuticas 1,2 e 3. Terapeuta, Professora-supervisora pela Federação Brasileira de Psicodrama - FEBRAP. Professora do Programa Especialização em: -Terapia conjugal e familiar (ABRATEF); - Psicodrama clínico e socioeducacional (FEBRAP); -Práticas Colaborativas e Dialógicas (Interfaci/Houston Galveston Institute/Taos Institute); Psicoterapeuta de Casal, Família e demais segmentos. Realiza atendimentos a populações vulneráveis e supervisões à equipe do Centro de Especialidades para Atenção às Pessoas em Situação de Violência Sexual, Familiar e Doméstica (CEPAV/Jasmim), da Secretaria de Estado de Saúde do Governo do Distrito Federal – Brasília/Brasil –Hospital Regional da Asa Norte (HRAN ). Fundadora e Coordenadora pedagógica e docente do Instituto de Ensino, extensão e pesquisa Aprender Vivo em convênio com o Ministério da Educação (MEC),Escola digital que ministra especialização em Terapia de casal e família, Psicodrama e prepara profissionais Colaboradores de Múltiplas Práticas com famílias e grupos. Professora de pós-graduação em Psicodrama do Instituto de Pesquisa e Intervenção Psicossocial – INTERPSI (período de 1983 a 1995);coordenadora dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu, docente e orientadora de monografia do convênio entre a Pontifícia Universidade Católica de Goiás - PUC GO e o INTERPSI ( no período de 1990 a 2020).Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Relações Interpessoais, atuando principalmente nos seguintes temas: família, abuso sexual, violência familiar, processos grupais e de comunicação, comunidade, exclusão social, capacitação de profissionais e desenvolvimento de equipe. Membro do Conselho Deliberativo Consultivo da Federação Brasileira de Terapia Familiar (ABRATEF). Foi presidente (por duas gestões) da Federação Brasileira de Psicodrama e presidente da Associação Centro-Oeste de Terapia Familiar - ACOTEF-DF. Foi membro do Board da International Association for Group Psychotherapy and Group Processes - IAGP( 2012-2015) e Co- chair da Sessão de Terapia Familiar - IAGP.

Rede de apoio com uma condução profissional

Desenvolvimento Pessoal - Pessoas Divorciadas ou em Processo de Separação | Aprender Vivo

Matricule-se

Instituições associadas à Aprender Vivo
Logo Ministério da Educação - Aprender Vivo
Logo ABRATEC - Aprender Vivo
Logo FEBRAP - Aprender Vivo
Logo IAGP - Aprender Vivo
Logo Isat - Aprender Vivo

Pós-graduação e cursos

Confira alguns dos nossos cursos
Depoimentos de nossos alunos
  • Bianca Bindes

    Sou aluna da primeira turma e indico muito o curso. Bem estruturado, aulas com bom conteúdo e professores incríveis. As quatro horas passam voando. E a cereja do bolo é o momento da supervisão que completa a teoria revisando a nossa prática. Imperdível para quem se interessa pelos assuntos: família, casal e grupo.

  • Andréia Tavares

    Sou aluna do curso de Especialização em Terapia de Casal, Família e Psicodrama para Grupos e nesses quatro meses de estudos posso dizer que tem sido uma experiência bastante enriquecedora. O aspecto principal para mim é ter em um mesmo curso os conteúdos da Terapia Familiar com base na Teoria Sistêmica e os conteúdos do Psicodrama...

  • Kátia Trevisan

    Quando busquei a especialização em Terapia de casal, família e psicodrama na Aprender Vivo, foi com a intenção de encontrar um espaço no qual fosse possível refletir e construir de forma coletiva as bases para uma prática na área de família, que considerasse o entendimento psicodramático e permitisse "conversar" com outras abordagens...

Perguntas frequentes